Medicamentos orais para esclerose múltipla

Dr. Guilherme Sciascia do Olival Artigos e publicações 1
Medicamentos orais para esclerose múltipla

Medicamentos orais para esclerose múltipla

O tratamento da esclerose múltipla até pouco tempo atrás era sinônimo de medicação injetável. Poderia ser diário, a cada dois dias ou até uma vez por ano, mas sempre injetável. Isso acontece porque é muito difícil formular uma medicação que permaneça estável após a passagem pelo estômago e depois pelo fígado antes de ter seu efeito terapêutico.

Bem, as medicações injetáveis são uma realidade em outras doenças crônicas sendo a mais prevalente delas a diabetes… há quem tome insulina mais de uma vez por dia…

Mas é natural que a evolução do modo de usar as medicações é que sejam indolores. Neste contexto surgiu o fingolimode, que é o primeiro tratamento oral aprovado para esclerose múltipla. Talvez alguém argumente que existe o tratamento da esclerose múltipla através da vitamina D que também é oral, mas a vitamina D jamais pode ser usada sozinha para o tratamento da esclerose múltipla.- mas este é outro post e falaremos dele mais a frente…

O fingolimode sem dúvida é inovador no tratamento da esclerose múltipla e por ser administrado oralmente, o fingolimode facilita a adesão ao tratamento e, consequentemente, leva a uma melhora na qualidade de vida das pessoas com esclerose múltipla.

Estudos clínicos mostraram que o medicamento é também 52% superior aos tratamentos consagrados com interferon na diminuição dos surtos de desmielinização causados pela doença

Desde o lançamento na Europa em 2011 mais de 50 mil paciente já foram tratados com fingolimode e o tratamento está disponível em vários países como Estados Unidos, Canadá, Rússia, Austrália, México, Argentina e Chile.

Mas não chegamos à panacéia… apesar do FDA aprovar a medicação como primeira linha de tratamento, em outros países como Canadá e na Europa a medicação está indicada como segunda linha. Segunda linha são os tratamentos que devem ser indicados após falha terapêutica com outra medicação. Ainda há muita discussão a esse respeito… mais uma vez é essencial discutir com seu médico o risco e benefício do seu tratamento e o mais importante… nunca queira trocar um tratamento que está funcionando por outro que você desconhece os efeitos em seu próprio organismo!

Até breve

One Response to Medicamentos orais para esclerose múltipla

  1. wellington fonseca de souza

    eu sou paciente do CIEM a mais de 18 anos , e não consigo convenser meus médios a me indicar para o tratamento oral . O tratamento oral é melhor. Me ajuda a convenser eles me indicar , estou cansado de tomar copaxone todos os dias é muinto ruim.

     

Add a Comment